sábado, 12 de setembro de 2009

Manual prático para sonhar acordado à luz de velas

O francês Gaston Bachelard (1884-1962) era nos anos de 1950 o equivalente mais próximo que a Europa tinha de um filósofo com jeito de Papai Noel. A semelhança ia além dos cabelos e barbas brancos e do olhar doce que dá a alguns velhos uma beleza serena. Bachelard era, de fato, um bom homem, que a imprensa de seu tempo retratou como um professor de modos calmos e disposição infatigável de acolher todos aqueles — e eles foram muitos — que se interessavam por sua obra.
Há algo de sui generis nessa obra e na personalidade intelectual de Bachelard, e isso deve muito ao fato de ele juntar em seus escritos dois temas distintos: a ciência moderna, com sua parafernália conceitual inspirada sobretudo na Relatividade de Eistein e na Mecânica Quântica de Planck, e a poesia, com sua profundidade lírica. Curioso é que os dois lados não se misturam: Bachelard estava convencido de que era preciso ter o máximo rigor para refletir sobre a ciência e a máxima liberdade para experimentar a literatura.
Num dado momento de sua vida, quando já tinha publicado densos trabalhos de análise do pensamento científico, Bachelard descobriu as imagens poéticas e passou a produzir livros de intenso lirismo que analisam obras de diversos autores. Ele cunhou então uma fórmula de grande beleza para exprimir essa duplicidade de interesse: o homem diurno da ciência, que deseja tornar todos os conceitos claros, e o homem noturno da poesia, que deseja a penumbra para sonhar com as imagens evocadas pelos poemas.
A comunidade pensante do Ocidente deve ao Bachelard Noturno um tratamento interessante e inspirador do tema da solidão. Seu pensamento trabalhou e aprofundou a idéia de que a solidão é criadora, na medida em que é nela que o espírito cria e alarga seus horizontes, reconectando o passado ao presente por meio da memória e projetando o sonhador no futuro por força da imaginação. Esse processo é feito durante o devaneio, o ato solitário de sonhar acordado a partir de imagens poéticas.
O devaneio assume relevância central na obra de Bachelard. O filósofo elaborou uma classificação em que eles variam conforme o tipo de imagem que os inspira. Assim, por exemplo, há devaneios do ar, da terra, da água e do fogo. Foi ao analisar estes últimos que Bachelard teve a idéia de escrever um pequeno livro que pode ser incluído entre as mais belas produções do pensamento ocidental do século XX. Seu título é poético —A chama de uma vela — e seu objetivo não é outro senão traçar uma pedagogia do ato de sonhar acordado.
Desfazendo-se de qualquer método filosófico de análise, Bachelard usa seu próprio caso para ilustrar a idéia de que o leitor ou a leitora que tem um livro aberto diante dos olhos, sob o clarão de uma vela, fica tentado a dar asas à imaginação: "Temos pela chama uma admiração natural, ouso mesmo dizer: uma admiração inata. A chama determina a acentuação do prazer de ver, algo além do sempre visto. Ela nos força a olhar", diz ele, e ao ler isso ficamos tentados a imaginar o bom velhinho com os olhos brilhando diante da vela.
Nas breves páginas de seu livro, o filósofo, vendo aproximar-se o apagar de suas próprias luzes, faz uma tocante exortação ao sonho que dignifica e justifica os momentos de solidão em que nós, leitores, nos abrimos em devaneio para as imagens poéticas banhadas pela chama trêmula das velas: "A chama, dentre os objetos do mundo que nos fazem sonhar, é um dos maiores operadores de imagens. Ela nos força a imaginar. Diante dela, desde que se sonhe, o que se percebe não é nada comparado com o que se imagina".
Seguindo por um caminho que confronta a tradição de pensamento que estimagtiza a fantasia, Bachelard afirma de modo corajoso a dignidade do devaneio e seu sentido profundo: "Um ser sonhador feliz de sonhar, ativo em sua fantasia, contém uma verdade do ser, um destino do ser humano". Depois de ler passagens como essas, vemos o quanto foram preciosos aqueles momentos que, da infância à idade adulta, passamos em solidão criativa diante de uma página cheia de imagens.
A chama de uma vela tem entre seus entusiastas brasileiros nomes como o do escritor Rubem Alves, que a citou em mais de uma crônica. A partir dessa citação, o livro se tornou conhecido e procurado. Nem isso, porém, animou as editoras a produzir uma segunda edição em português. A única disponível, esgotada há muito, foi publicada em 1989 pela Bertrand Brasil, com tradução de Glória de Carvalho Lins, e transformou-se numa espécie de raridade disputada pelos leitores no mercado livreiro nacional.
Por isso, ou por obra do destino, precisei esperar muito para conseguir um exemplar. Ele chegou no início deste mês, pelo correio, vários anos depois de eu ter lido pela primeira vez uma referência à pequena grande obra de Bacherlard. Nestes dias que antecedem a chegada da Primavera, este adepto do devaneio em que me transformei desde a infância recebeu o pequeno volume como quem recebe um caro amigo aguardado há longos anos. Sinto que valeu a pena esperar, como mostram as passagens a seguir, que para mim tiveram o sabor de um presente de natal antecipado:
A chama é um mundo para o homem só.
Então, se o sonhador inflamado fala com a chama, fala consigo mesmo. Ei-lo poeta. Ampliando o mundo, o destino do mundo, meditando sobre o destino da chama, o sonhador amplia a linguagem, já que exprime uma beleza do mundo. (...) O próprio psiquismo se amplia, se eleva. (...) Para atingir esta 'altura psíquica' é preciso encher todas as impressões, insuflando-lhes matéria poética.

As fantasias da pequena luz nos levam de volta ao reduto da familiaridade. Parece que existem em nós cantos sombrios que toleram apenas uma luz bruxuleante. Um coração sensível gosta de valores frágeis. Comunga com os valores que lutam, portanto, com a luz fraca, que luta contra as trevas. (...) Com a fantasia da pequena luz, o sonhor se sente em casa, seu inconsciente é como se fosse sua casa. O sonhador! — esta duplicata de nosso ser, este claro-escuro do ser pensante — tem, na fantasia da pequena luz, a segurança de ser.

Quem confiar nas fantasias da pequena luz descobrirá esta verdade psicológica: o inconsciente tranquilo, sem pesadelos, em equilíbrio com sua fantasia, é exatamente o claro-escuro do psiquismo. (...) Imagens da pequena luz nos ensinam a gostar desse claro-escuro da visão íntima. (...) Um sonhador (...) compreenderá instintivamente que as imagens da pequena luz são lamparinas íntimas. Suas luzes pálidas tornam-se invisíveis quando o pensamento trabalha, quando a consciência está bem clara. Mas quando o pensamento repousa, as imagens vigiam.

O aspecto poético de uma fantasia nos faz conformarmo-nos com esse psiquismo dourado que mantém a consciência deperta. (...) A chama nos mantérá nessa consciência da fantasia que nos mantém acordados. Dorme-se diante do fogo. Não se dorme diante da chama de uma vela.

Assim, nos tempos em que se sonhava pensando, em que se pensava sonhando, a chama da vela podia ser um sensível termômetro da tranquilidade da alma, uma medida da calma fina, de uma calma que desce até os detalhes da vida — de uma calma que dá uma graça de continuidade à duração que segue o curso de uma fantasia pacífica. Quer ficar calmo? Respire suavemente diante da chama leve que faz sossegadamente seu trabalho de luz.

9 comentários:

Liene disse...

Márcio,

Diante de um título tão sugestivo, não encontro palavras para comentar. Tomo emprestadas as de Rubem Alves:


"As velas são diferentes. Choram enquanto iluminam. Suas lágrimas nascidas do fogo transbordam e escorrem pelo seu corpo. Choram por saber que para brilhar é preciso morrer. Não é possível contemplar uma vela no seu trabalho de luz sem sentir um pouco de tristeza. Sua chama modesta, modulada por indecisões e tremores, faz-me voltar sobre mim mesmo. Também sou assim. Minha chama vacila ao ser tocada pelo vento. Por isso, posso chamá-la de minha vela. Somos feitos de uma mesma substância. Temos um destino comum".

Um grande abraço

Anônimo disse...

雙眼皮 新彩整形

大陸新娘 高雄租車

中秋禮盒 肉毒桿菌

瑜珈教室 高雄旅遊

保健食品 乳酪蛋糕

流行服飾 室內設計

汽車旅館 日光花園

法拍屋 隔熱紙

台中住宿 墾丁旅遊

整形外科 首頁科技

電波拉皮 歐化廚具

外籍新娘 果凍矽膠

João Pedro disse...

Por estas e outras sou fã do seu blog!

Até mais!!

http://gabinetebranco.blogpost.com

Anônimo disse...

Do the right thing is smart to do should not do is ignorance.

SEO

網路行銷

SEO

網路行銷

João Pedro disse...

Digo o mesmo do seu blog.

Seus textos são sempre inspiradores.

Se quiser trocar links, está ok por mim.

Anônimo disse...

Afford to be a good thing to mention is insisted Fang Dexia, achievements are achievements that the people themselves.

整形 眼袋 開眼頭 雙眼皮 隆乳 隆鼻 抽脂 狐臭 拉皮 肉毒桿菌 脈衝光 醫學美容 玻尿酸 電波拉皮 雷射 削骨 法拍屋 瑜珈 motel 飯店 保健食品 網路行銷 SEO 機票 遊學 寵物 眼科 牙科 婦產科

Anônimo disse...

高雄旅遊墾丁旅遊
阿里山旅遊台東旅遊
清境旅遊包車旅遊
高雄一日遊墾丁一日遊
台南一日遊∣觀子嶺旅遊
高雄墾丁WISH計程車(七人座)高雄租車九人座
機場接送一日遊

Anônimo disse...

1.你了解關鍵字廣告的陷阱與秘密???
2.你了解SEO技巧???
3.你了解網路行銷的方式與種類???
4.你了解關鍵字行銷後的商機!!!
5.你了解SEO作業與流程!!!
6.你認為網路行銷多少才合理???
7.你了解網站排名的注意事項!!!

Anônimo disse...

您想娶到一位勤勞、漂亮、甜美、不愛慕虛榮的美嬌娘,做為您終身伴侶?親密愛人提供大陸新娘、外籍新娘、越南新娘、新娘配對、婚姻介紹、婚姻仲介、未婚聯誼、相親、紅娘配對排約、男女交往、婚友聯誼服務、交友與協助來台、兩岸結婚相關證件辨理等,大陸方面有廣西新娘、婚友仲介、福建新娘、婚友介紹、大陸、廣西新娘、婚姻仲介。

本網站為直營網站,專業經驗,誠信負責,合法保證,全省服務,我們會依照您喜歡與適合的對象、個性類型,來安排聯誼認識,避免將婚姻商品化買賣之商業行為,因為『婚姻』是一輩子的終身大事。

外籍新娘 外籍新娘 外籍新娘
大陸新娘 大陸新娘 大陸新娘
越南新娘 越南新娘 越南新娘
東北新娘 東北新娘 東北新娘
廣西新娘 廣西新娘 廣西新娘
吉林新娘 吉林新娘 吉林新娘
福建新娘 福建新娘 福建新娘
中國新娘 中國新娘 中國新娘