domingo, 19 de abril de 2009

Verdades encontradas no fundo da garrafa


Viver ou contar?
A semana que passou foi de pouquíssimo tempo de lazer. Os escassos momentos não dedicados ao trabalho, gastei-os quase todos na tentativa de solucionar um dilema: se é pouco o tempo, devo viver mais ou contar o que já vivi? O dilema terminou com a constatação de que, para mim, não há alternativa para escrever.
Admiro os que escrevem por exercício estético e os que o fazem por diversão. A vida desses deve ser mais leve do que a minha. De minha parte, escrevo, desde que aprendi a juntar letras e palavras, por incontornável e, às vezes, pesada necessidade. Se agora preencho páginas virtuais, antes enchia folhas de papel. Muda-se o meio, não a mente.
Talvez eu padeça de um mal que leva a escrever, se é que isso existe. Não consigo viver uma cena marcante sem pensar em como a contaria. E, embora considere meus leitores uma riqueza de valor infinito, sempre soube que, se não os tivesse, deveria, ainda assim continuar a escrever e contar.
Talvez seja isso. No final das contas, acho que eu não escrevo: penso em voz alta. Escrever talvez seja a forma de eu ficar sozinho com os meus pensamentos. Que seja.

(Escrito, como um brinde ao fim do domingo e ao início da semana, depois de três taças de um Cabernet Sauvignon, safra chilena de 2005, no meu "Caderno de Verdades Encontradas no Fundo da Garrafa")

2 comentários:

Helô Müller disse...

Belo brinde feito a nós, sem dúvida alguma !! rs Lindo texto, belas palavras ... que bom que tens esta necessidade visceral de escrever ! Nós, os leitores, agradecemos !!
Beijos tintos !!

mariza disse...

viver sempre e contar se necessário.
uma coisa que a gente aprende na blogosfera é a captar sinais.
um bom sinal: suas verdades encontradas no fundo da garrafa deram um salto grandioso e maduro. são verdades encorpadas, como um bom vinho.
seu blogue, que já adotei como um dos meus preferidos, é um exercício para os olhos da alma. quem, realmente, se dispõe a lê-lo profundamente (e isso só se consegue com a alma atenta e disposta), sempre sairá daqui com uma novidade (boa) para acrescentar à própria história (rimei).
que seus pensamentos continuem voando alto. e que você continue nos presenteando com seus voos e suas verdades. são os meus votos: de leitora e amiga.