domingo, 26 de abril de 2009

Receita para uma noite inesquecível


Os prazeres da demora
Imagine o leitor ou a leitora que, ao chegar à sua casa para a esperada folga do fim de semana, encontre a sala de jantar surpreendentemente iluminada por velas e com a mesa posta com pratos apetitosos, acompanhados de vinho de boa qualidade e música inspiradora, tudo preparado com cuidado por seu companheiro ou companheira com o objetivo de tornar a noite inesquecível. Imagine ainda o leitor ou a leitora que, na tentativa de agradar, seu par romântico tenha preparado uma banheira com sais e perfumado a cama, nas quais estão os mais macios lençóis da casa.
Agora considere o leitor ou a leitora que, diante desse ambiente convidativo, seu comportamento tenha sido o de apagar as velas e acender as lâmpadas elétricas, retirar a música e substituí-la pelo noticiário da TV, dispensar a banheira em favor de uma rápida ducha e, para ganhar tempo, comer sentado no sofá, rapidamente, sem tirar os olhos das últimas notícias. Para mim, ler com rapidez um livro de literatura, sem se deixar levar pelas pequenas sutilezas que criam o clima, equivale ao comportamento de quem troca uma noite cuidadosamente preparada pelos hábitos mais triviais.
Ler exige paixão. E a paixão tem prazer na demora, na exploração de cada pequeno detalhe com lentidão. A idéia não é chegar logo ao fim. Pelo contrário: trata-se de chegar o mais demoradamente possível, pois a fruição existe em cada segundo, não apenas no ápice. Retardar o fim não é uma possibilidade. É uma questão de saber usufruir o máximo possível de momentos para eternizá-los. Bons livros, como bons momentos, devem ser degustados com lentidão amorosa. A rapidez mata a paixão e está para o prazer de ler como o noticiário trivial de TV está para uma romântica noite a dois.

2 comentários:

Vista-se de Azul... disse...

Márcio,

Sem pressa, sem ansiedades... É maravilhoso deixarmos tudo acontecer ao seu tempo, pois assim a poesia da vida torna-se perfeita.
Lindo e muito reflexivo!

Glaucia.

Lia Noronha disse...

Marcio: bem reflexivo o seu texto...nos remete a questionar os simples gestos do dia a dia como indispensáveis para a construção de um amanhã pleno.Viver intensamente cada momento...ser apaixonante e nunca abandonante no amor e na Literatura...é uma Arte a ser aprimorada fio a fio...gota a gota..
Abraços carinhosos nesse começo de semana .