domingo, 18 de outubro de 2009

Para onde vai a poesia?

A constatação de que a poesia vai se tornando uma ave cada vez mais rara nas livrarias tem razões mais profundas do que supõe a lógica de mercado. Não se trata de dizer simplesmente que os livros de poesia estão diminuindo das prateleiras de lançamentos por algum motivo como a falta de interesse dos editores. O que está diminuindo, penso, é a capacidade de ler poesia, isto é, de entender e valorizar a dimensão poética da existência humana. Assim, o fato de haver menos livros de poesia nas livrarias é causa e não efeito.
Constitui um lugar comum já antigo dizer que não sobraram muitos espaços para o lirismo sob o nosso tempo. Há nisso algo de verdade. O tipo de sensibilidade requerido pela poesia exige do leitor a habilidade de pôr em suspenso, por algum tempo, seus compromissos com a visão utilitarista que está subjacente à cultura de nossa época, com sua ênfase em mensagens mais fáceis e diretas. Esse tipo de sensibilidade exige também a habilidade de perceber o mundo de outra maneira e de ver de modo diferente o que antes parecia familiar.
Essas habilidades não são estimuladas pelo clima geral da cultura de nossa época. Esse clima aceita e incentiva a literatura de passatempo, mas não se conforma facilmente a um tipo de texto literário como o poético, que visa a causar um estranhamento e a fazer com que o leitor introduza na normalidade cotidiana certas inquietações existenciais que antes não pareciam cabíveis. Como não se presta a passatempo, tal como algumas histórias policiais e de aventura, que continuam vendendo bem, a poesia tem o seu espaço encurtado.
Esse encurtamento fez com que o lirismo dos tempos atuais fosse se concentrando cada vez mais na temática sentimental. O resultado é que apenas uma vertente do lirismo, a romântica, continua familiar ao público leigo. Isso explica o fato de quase todas as pessoas, mesmo as que não tiveram educação literária, compreenderem mensagens contidas em poemas que tematizam relacionamentos amorosos, enquanto um número cada vez menor de leitores é capaz de interagir com um texto lírico que está fora desse quadro temático.
Um rápido passeio às livrarias prova esse fenômeno. Poetas como Drummond, capazes de uma lírica abrangente, que não se esgota na temática de relacionamentos amorosos, continuam a ser reeditados, e seus poemas de amor vendem muito mais que os outros. O mesmo ocorre com Fernando Pessoa. Alberto Caeiro, o maior dos heterônimos pessoanos segundo o próprio Pessoa, é também o menos assimilado pelo público leigo, e o motivo, acredito, está no fato de grande parte de sua lírica não se fixar na temática dos relacionamentos amorosos.
O público leigo tende a procurar uma continuidade entre a letra da canção popular que fala do amor romântico de um modo já familiar e os poemas impressos em livro. Rupturas nessa continuidade, produzidas por textos que trazem inquietações existenciais, ou que chamam a atenção pelo modo de dizer e não só pelo conteúdo da mensagem, tendem a não ser compreendidos em muitas de suas características, o que se deve, em parte, à deficiência da educação para a arte em nossos dias.
A pergunta é: a poesia sobreviverá? Não parece haver motivo para pensar que ela vai desaparecer. A poesia reside num tipo de atitude que consiste em dar sentidos a certos conteúdos, lançando sobre eles um novo olhar. Essa atitude, como todo ato de dar significação aos elementos da realidade, é constituinte da natureza humana. Se é assim, não há por que temer o desaparecimento da poesia nem, por conseguinte, da produção de textos poéticos. Os poetas continuarão existindo e sendo lidos em seus círculos.
O que parece incerto é se existirá um público leigo interessado em poesia, assim como existe um público leigo interessado em romances policiais ou de aventuras. O que se pode dizer com segurança é que, se o público leigo de poesia, desde sempre menor que o de romances, diminuir até desaparecer, fazendo com que todo o lirismo voltado para a massa se concentre em letras de canções populares, o mundo ficará com menos inquietações existenciais e, ao mesmo tempo, mais pobre de pessoas capazes de valorizar a dimensão estética da vida.

3 comentários:

Biba disse...

É sempre difícil compreender o que os leitores querem, o que leem, do que gostam realmente. Gostei desse post, me fez pensar sobre poesia e isso é bom.

Beijo
Carpe Diem!!

Anônimo disse...

※提供全牛皮沙發、系統傢俱、進口家具、系統櫃、實木家具販售及居家空間室內設計規劃.全國領導品牌設計+裝潢工程+商品整合服務,全省抽油煙機展示中心資深設計師服務,價格透明,工程保固。
※無痛水刀抽脂,打造臀部、大腿黃金比例.利用新科技,水刀也能化身成手術刀應用時間的恢復期,一個月內就能看到立即的效果!提供整形美容服務、術後醫療照護,規劃整合整形外科、雷射中心及美學整形中心.果凍矽膠隆乳的費用是十六萬,如果妳很瘦的話,是不用考慮用自體脂肪豐胸的方式,因為脂肪不夠拿來補胸部,義乳的種類有傳統矽膠義乳、水袋義乳、果凍矽膠。一般人認為縫雙眼皮縫線容易脫落,雙眼皮皺褶一段時間就消失;由於技術的進步,縫線脫失的機會,現已大大減少。最新研發出爐的電波拉皮電波拉皮技術,不止可拉提,還具有更佳的雕塑身體曲線功能,電波拉皮可說是想要塑身的胖哥胖妹的救星.
※本公司即日起專辦大陸新娘入境,時間快速,收費合理,歡迎大家多利用.一名大陸新娘嫁到陽明山的泠水坑那邊,夫家是賣烤魷魚的,當地許多人都娶外籍新娘,因為到了假日許多觀光客,老公要做生意,這些大陸新娘或是越南新娘.

Guilherme Alves disse...

Eu acho que de certa forma. O mundo atual matou a poesia. Pra você ser capaz de esboçar um poesia você precisa se desligar do mundo moderno. Pra mim, toda poesia é romântica. Abs.