quarta-feira, 19 de agosto de 2009

O Reino dos Homens: notas sobre o catecismo dos ipês

Os ipês, agora em plena florada, despertaram a minha memória. O amarelo vivo de algumas das árvores que tenho visto todos os dias pelo caminho me lembrou do catecismo no antigo colégio das madres escolápias. Eu tinha uns 8 ou 9 anos e tentava fugir das aulas com a mesma rapidez com que o diabo provavelmente foge da cruz, se é que ele ainda faz isso. O futebol e outros jogos, uma espécie de prêmio para quem ficava quieto durante as explicações de dogmas e verdades fundamentais da fé, nunca me seduziram, pelo fato de que eu sempre fui um péssimo jogador.
Mas não foi só a falta de jeito com a bola que me levou a desistir de aprender a doutrina católica. O problema era mais embaixo, e os ipês têm uma boa parte da culpa. Apaixonado desde criança pelas árvores, ao ponto de passar horas olhando as que havia pelo caminho, eu me convenci de que as floradas são um luxo da natureza. E esse luxo sempre me pareceu ainda mais digno de valor pelo fato de que uma flor nasce uma única vez e só permanece viva por um brevíssimo tempo.
Saber que o próximo ano sempre traz nova florada nunca conseguiu eliminar da minha mente a idéia de que as flores vindouras serão outras. Nunca encontrei motivos suficientemente fortes para acreditar que não devesse me angustiar com a brevidade da vida de cada flor ou cada ser pelo fato de existir, segundo crêem alguns, um plano espiritual em que a minha alma possa conservar eternamente as lembranças deste mundo. O oposto me pareceu sempre mais plausível: mesmo quem crê num Deus Criador e num plano espiritual não pode negar a evidência de que Ele não nos deixou nenhum indício de que tal plano seja superior a este em que agora estamos. Dizendo com outras palavras, penso que Deus não nos deixou indício algum de que a existência de um mundo espiritual deva nos levar a dar menos valor a este mundo de sensações físicas. Pelo contrário: Ele quis nos lembrar, parece-me, que é sobre a terra que se desenrola o drama humano, razão pela qual as doutrinas enfatizam valores como a caridade, que são formas de tentarmos mudar as coisas nesta vida, não em outra.
Pensando nisso enquanto olhava pela janela da sala de catecismo, eu ficava surdo para dogmas como a vida eterna que nos foi prometida no caso de seguirmos os conselhos da Igreja, legítima intérprete do Reino de Deus aqui na Terra, e só ouvia a minha voz interior me lembrando que a visão daquelas flores era uma dádiva que deveria ser aproveitada ao máximo antes de elas se fundirem de novo à matéria da natureza.
A consciência de que a existência humana na terra, vista pela escala da natureza, é tão efêmera quanto a daquelas flores, provocou em mim uma ponta de angústia, que me acompanha ainda hoje. Ao mesmo tempo, porém, ela me despertou para o valor inestimável de cada segundo, que deve ser vivido do modo mais intenso possível, justamente por ser irrepetível. Essa mesma consciência de brevidade fez nascer em mim um sentido profundo de gratidão por este curto instante a que chamamos "nossa vida", durante o qual nos foi dado, como flores de ipê, despontarmos na grande árvore da humanidade até o momento de voltarmos ao chão como adubo da terra.
Pensar que cessamos é íngreme, como bem lembrou o poeta. Mas, para o garoto que eu era ao entrar no catecismo, foi também revelador. O sentimento de finitude desta existência, associado à descrença em dogmas que dirigem o sentimento e a razão para lugares pré-determinados, fez nascer em mim a idéia de que cada vida humana é uma obra pessoal, a ser construída sem fórmulas prontas e imutáveis. Se não há fórmulas nem caminhos pré-determinados, e sim uma obra em progresso na qual pode entrar a imaginação a serviço da escolha das melhores alternativas para o aperfeiçoamento, é muito maior a responsabilidade que temos para conosco e com os outros em cada segundo de vida.
Essa visão de mundo, surgida nas tardes de sábado que passei entre as paredes do velho e solene colégio das madres escolápias, me leva a crer que neste mundo somos nós, seres humanos finitos e limitados, mas também criativos e capazes de marcar seu lugar na história de um modo produtivo, os únicos responsáveis por toda desonra e toda desventura, mas também por toda honra e toda a glória. Agora, e para sempre.

2 comentários:

Anônimo disse...

高雄墾丁旅遊須知

1.高雄天氣炎熱,請記得勤作防曬,並攜帶洋傘。(若是搭【畯富旅遊】的包車,我會貼心幫您準備哦)

2.司機會隨時掌握情況,注意電視廣播報章雜誌,有關交通狀況及氣象報導,來調整行程順序。高雄旅遊時間安排重點,在午後至晚上時間(高雄夜景非常漂亮尤其是愛河與愛河之心)

3.墾丁夏日須注意防曬,冬天早晚溫差大,尤其是寒流來時候,風很大就是有名的落山風,越晚風越大建議多帶件薄外套以免著涼。

4.高雄捷運大部分是爬樓梯進去,坐電扶梯上來且離景點,都還有一段距離,隨行若有年長者或小孩請考量搭乘。

5.高雄公車難等,千萬不要搭公車,市區短程可搭計程車。(不過像西子灣及旗津很少計程車,旗津輪渡站步行至海岸公園約20~30分哦)

6.旅遊景點當地包車常被敲竹槓很貴,且大部份是白牌車,沒有投保意外險之類的,為了您自身的安全著想,建議直接從高雄包車,務必選擇合格的旅遊包車。

7.本車願意承載輪椅並細心照顧。

8.旅遊裝備要是先準備妥當,並瞭解自己健康狀況,隨身攜帶必備藥物。

9.注意自身旅遊安全,無人管理之地區,儘量避免前往往山區注意落石、虎頭蜂、毒蛇、野猴。

10.搭乘用遊艇,為自身安全,應穿著救生衣,並拒絕搭超載及無照之船艇。

11.請勿擅自前往危險地區,無救生人員管理之海邊、溪流水域,請勿游泳、戲水遵守警告、禁止標誌之規定。

畯富旅遊包車網預祝您旅途愉快~

高雄旅遊墾丁旅遊阿里山旅遊墾丁旅遊網高雄一日遊墾丁一日遊高雄縣旅遊>>>參考連結網站

Letícia disse...

É uma oração. Também estudei em colégio de freiras e lembro das aulas de Educaçção Religiosa. Deus era sempre visto como o vingador e eu não gostava dessa ideia. Hoje penso diferente, embora traga coisas de minha infância e tudo isso não me larga. Eu costumava acreditar que morte era coisa que só acontecia na casa ao lado. Nunca pensei que minha vida fosse limitada. Temos tempo contado e perfeito ler seu texto e chegar à conclusão de que a forma como se vive pode mudar o curso das coisas. A gente pode ter glórias ou a lama. E João Pessoa é cheia de ipês. Passarei a observar mais.