quarta-feira, 6 de maio de 2009

Um viva ao contraditório!

A dialética do esclarecimento
Tenho em alta conta a polêmica de interesse público. Quando alguém discorda de minhas idéias e expõe argumentos que fundamentam sua discordância, fico sinceramente feliz. Afinal, a maior homenagem que se pode fazer a alguém que expõe os próprios pensamentos sobre um assunto é discuti-los de modo racional, tendo em vista o mútuo esclarecimento que é a razão de ser dos debates saudáveis.
Quem discorda de nós com propriedade e com argumentos sólidos frequentemente lê com mais atenção o que escrevemos do que aqueles que apenas concordam conosco, pois a discordância consequente é trabalhosa. Além do mais, a discordância nos dá duas possibilidades de valor inestimável: a de retificar nosso pensamento nos pontos em que ele está equivocado e a de torná-lo mais claro para nós mesmos e os outros nos pontos em que está correto.
As palavras acima servem de preâmbulo para que eu possa enaltecer o excelente nível dos comentários que recebi da professora Letícia Palmeira e da advogada Mariza Lourenço ao post que fiz sobre a originalidade da blogosfera, sob o título "Você escreve blogues? Então cuidado com a Síndrome do Segundo". Esse elogio, aliás, cabe a todos os meus comentaristas, embora alguns prefiram se manifestar por e-mail.
Um dos comentários que recebi ensejou, pela inteligência e perspicácia com que foi feito, uma tréplica minha que está publicada no próprio espaço dedicado aos comentaristas. Como o debate trata, entre outros pontos, da blogosfera, da pesquisa acadêmica e da relevância e qualidade de textos, bem como da erudição e de citações, aqueles que se interessam por tais assuntos talvez achem interessante passar os olhos pelos vários lados da questão.

3 comentários:

Letícia disse...

Concordo, Márcio. Quem realmente lê, mostra a sua opinão e não fica girando feito cachorro atrás da própria cauda. Há quem leia a primeira frase e construa por si mesmo um parecer sobre o que fora escrito. Eu tinha visto o comentário da Mariza e ela realmente disse a que veio. Ou seja, mesmo que ela concordasse com você, por ser um escritor muito detalhista, você perceberia caso fosse apenas um comentário superficial.

Beijos.

mariza disse...

Letícia, grata. seu comentário me fez pensar muito antes de redigir o meu que, aliás, deletei duas vezes porque estava confuso, para dizer o mínimo.

beijo pra você.

Professor, ainda não concordo com tudo e, embora admire e respeite o professor que, certamente, é infinitamente mais qualificado do que esta simples escriba blogueira, devo lhe dizer que sua sábia tréplica não me convenceu de certos pontos cruciais, como por exemplo, a justificação que se dá a qualquer blogueiro pelo simples fato de manter um diário na blogosfera.
mas como não me cabe, na condição de leitora, estender um debate para o qual entrei de abelhuda, agradeço a consideração da tréplica, a qual, preciso admitir, não poderia ter sido escrita por outra pessoa senão você.
talvez, fosse o caso, de darmos vivas ao brilhantismo dos argumentos (seus, bem entendido), haja vista que, me parece, o senhor também concorda que originalidade não é produto de larga oferta na blogosfera.

Paulo R. Diesel disse...

A intenção de muitos é comentar superficialmente, assinar e colocar seu endereço, rapidamente, para receber visitas outras em seus blogues.
Acompanho vários blogues e muitas vezes não comento porque não é sempre que consigo acrescentar algo.
Este assunto(não deste artigo, mas do outro) deveria ser discutido mais profundamente.

Abraço