sexta-feira, 20 de março de 2009

A metafísica da noites de sexta


Há um tipo de cansaço que não é físico nem mental. É possível que não seja também uma mistura dos dois. Parece mais um cansaço existencial, desses em que se olha para a Lua e se pergunta se ela, a despeito de toda a sua beleza, também não se cansa às vezes de brilhar.

2 comentários:

Mai disse...

Márcio,
tristeza não é déficit mas pode ser a apropriação indébita da alegria que poderíamos viver no hoje...

Por vezes eu penso que a dor, seria mais uma questão de tempo de exposição ao agente...
Porque não consigo apreender uma 'ontologia' da dor que óbvio, é uma questão existencial e não do Ser...

Mas parece por vezes que existem pessoas para quem a dor ou a tristeza e o abatimento parece ser um 'ente', mesmo...

O que se configura como mais dramático é que cada 'sofredor' quer a posse dessa dor para si...
Trata-se por 'minha dor'...

Claro que não é disso que se trata nesse teu texto ou contexto, não sei bem... Porque o texto é teu e o que pensavas quando o escreveste,não suponho saber...
Mas acabei de escrever um texto sobre tristeza e estou 'segurando' a minha alegria para que ela não me escape, não fuja...

Bem, cansaços ocorrem, mesmo.
Mas acho bobagem desistirmos de tomar um bom tônico existencial... Seja um amor, um vinho, uma conversa com um amigo... Os melhores amigos nessas horas são aqueles bem palhaços...
Uma visita à casa de alguém que tenha o melhr abraço do mundo...

Nessas horas só não vale assistir aquele drama que nos faz chorar ou ouvir o bolero de ravel, lembrar a infância naqueles dias em que nos sentíamos um 'bicho de pé'...

Também não vale abrir a caixa de fotografia e começar a rever aqueles a quem amamos e que já se foram...
Também não vale abrir a agenda daquele ano em que fomos felizes e ficamos reclamando por bobagens...

Nessas horas vale a pena falar as 'abobrinhas' lembra?
Nessas horas vale a pena conversar com o garçom, lembra?
Nessas horas vale a pena tomar o maior sorvete e sujar a camisa... Nessas horas vale a pena ligar prá quem nos ama e gritar HELP ME!!!

Nessas horas vale a pena ir à loja de discos e comprar um daqueles bem alegres... Chamar um casal amigo, ir à praça ver as crianças brincando, vale tudo, Márcio, até ir à uma loja de R$1,99... pfff....

Só nao vale se entregar ao cansaço existencial.
Ô coisa cansativa é viver mas apesar dos absurdos da vida, precisamos né???


Beijo você.

Carinho,

Mai

Letícia disse...

Um poema em algumas linhas. E gostei da novo espaço e vejo que agora tem a Mariza escrevendo com você. Fico feliz e desejo sorte aos dois.

Até mais.