sexta-feira, 6 de março de 2009

Concerto a céu aberto para trovoada e ventania



Trilha sonora para uma sexta-feira de calor

Às 13 horas, exatamente, ao passar em frente à torre de uma de nossas igrejas, ouvi os primeiros sons vindos do céu. Sob calor escaldante e com a sensação de cansaço que a temperatura elevada costuma provocar, recebi aliviado aqueles trovões e lufadas de vento que balançavam as folhas das árvores.
Minha alma suada ouviu os ruídos como quem ouve uma orquestra ensaiando. E o ensaio prosseguiu nas horas seguintes, entremeado por silêncios. Em alguns instantes, com gotas finas pulando no ar, pensei que a peça iria finalmente começar a ser executada. Mas o espetáculo só começou mesmo depois das 20 horas.
Valeu a pena esperar. O maestro estava inspirado. Foram quase duas horas de água lavando melodiosamente as janelas, ventos solfejando nos cantos e trovões marcando o compasso. Ao final, o coro brando da enxurrada e da chuva fina. O concerto está terminando agora, deixando no ar uma umidade que merece ser aplaudida de pé.
Foi uma bela partitura de verão.

2 comentários:

mariza disse...

por aqui, o maestro não deu o ar de sua graça ou misericórdia. tudo continua irradiantemente azul. as cigarras cantam desarvoradamente, e seu canto até encanta, mas não convence da proximidade da chuva.

não há saúde que aguente tamanho calor, definitivamente. hoje eu estou jogando a toalha. o calor me jogou na lona.

bom fim de semana, mon ami.

Mai disse...

Márcio,

Eu tenho uma vocação bastante holística, sabe?
Mas adotei o 'taoismo' como filosofia que me permite equilíbrio para dar conta da dureza que é viver me mantendo viva e serena diante dos determinismos nos quais não tenhoqualquer oportunidade de escolha...
Mas se existe um bem que tenho como religião, esse é a música...

Porque é bem como disseste...
É celeste, dos deuses, do cosmo, de algum lugar que não se explica porque conecta alguma forma essencial tão funda que, por vezes, eu choro, sabe?
(nenhuma novidade, eu chorar... bela bosta isso...)

Fiquei daqui imagnando os sons que ouviste...
A língua é um ouvido, mesmo...

Carinho e obrigada pelas belas palavras,já estou semi-nova...

Mai