quinta-feira, 22 de abril de 2010

Histórias de Amor que não cabem nos romances: um abraço vegetal

O símbolo de minha cidade não é uma Oliveira, como seu nome faria supor, e sim uma figueira. Mais precisamente, uma figueira entrelaçada a um coqueiro. Esse abraço vegetal está plantado no centro da cidade há mais de 100 anos, e não há ninguém vivo, por mais velho que seja, que não tenha se acostumado a vê-lo como um elemento indispensável da identidade local. Nos últimos meses, porém, a figueira começou a dar sinais de estar cansada de viver. Seus brotos cessaram, como se ela dissesse aos passantes que é hora de voltar ao pó da terra. O coqueiro, em solidariedade, entrou em processo de degeneração. Há quem diga que ambos estão se acabando juntos e, como bons mineiros, planejando sair de masinho da paisagem.

2 comentários:

Letícia disse...

As árvores da Maximiano Figueiredo também estão cansadas. Não é difícil ver uma árvore saindo do cenário aqui de João Pessoa. Mas a cidade continua verde.

Paulo R. Diesel disse...

Se nao se salvam as árvores que se transplantem as mudas.
Pena.